Uma dose de autoestima, por favor

Nós mulheres sabemos bem o que é ter constantes crises de autoestima. Você pode ser a mulher mais bem resolvida e bonita do mundo, mas sempre, sempre mesmo, alguma coisa vai te incomodar. Pode ser a amiga bonitona do seu namorado, uma pinta que você detesta ou o fato de ter seios pequenos. Somo assim, focamos nos defeitos e esquecemos das qualidades.

E se você, assim como eu, é picada toda mês pelo bichinho da TPM sabe o que é mensalmente cismar com o cabelo que aparentemente está rebelde e com todas as roupas do seu armário que coincidentemente não te deixam bonita.

Mas tirando os fatores naturais e hormonais, nós sofremos diariamente com uma sociedade que impõe como devemos nos vestir e comportar para sermos consideradas bonitas e interessantes. Hora tivemos que ser cheias de curvas, depois muito magras, com cabelo cacheado, com cabelo liso chapado e atualmente para sermos gostosas temos que comer muito frango com batata doce e malhar pesado todos os dias da semana.

Em resumo li essa semana um post do Thales Basso que me comoveu e me inspirou a escrever esse texto. Afinal você pode ter as melhores amigas do mundo, que sempre negam que aquela gordurinha que você insisti que existe na verdade é uma invenção da sua imaginação, mas ouvir um homem falando sobre o que realmente é a beleza feminina é reconfortante.

“Óbvio, quem te acha bonita vai achar bonita sempre, sem ou com maquiagem (sem exageros), e não posso ser hipócrita e dizer o contrario. Mas eu levanto aqui a minha bandeira de que toda mulher já é naturalmente bela e precisa entender de fato isso, seja ela branca, negra ou ruiva. Que a melhor maquiagem ou tratamento de beleza pra uma mulher é se amar, é a autoestima. Uma mulher que se ama irradia beleza natural e encanta qualquer um por onde passa. (Naturalmente Bela – Thales Basso)”

Esse é apenas um trecho de um texto que frisa o quanto a naturalidade de uma mulher pode ser afrodisíaca. Sabe aquelas horas em frente ao espelho caprichando na maquiagem, no cabelo e naquele look que custou muito caro? Substitua por uma dose de autoestima. É isso mesmo, este é o segredo de uma bela mulher. Mas vamos com calma, não estou dizendo que você deve deixar de arrumar o cabelo ou tirar a sobrancelha, não é isso, apenas se aceite como é. A receita para aqueles dias em que aquela calça jeans não fica tão bonita é se olhar no espeço e procurar suas melhores características. Eu aposto que você tem um olhar bonito, lábios sedutores ou aquelas sardinhas que estão na moda. Foque neles, os detalhes compensam o todo.

E por último vá a academia por que se importa com sua saúde e corpo, use batom vermelho por que te deixa mais bonita, faça progressiva por causa da praticidade ou por que adora cabelo liso, mas nunca, em hipótese alguma, faça qualquer coisa imaginando o que as pessoas vão pensar. Quando amamos nosso bumbum pequeno e nosso nariz batatinha nos tornamos mulheres mais felizes e você há de concordar que a curva mais bonita de uma mulher é o sorriso.

sorriso-na-cara

Anúncios

Be the change: Escoliose

O diagnóstico da escoliose é mais comum do que se pode imaginar, chega a estar presente em até 3% da população. A escoliose é uma deformidade em curva (popularmente conhecida como uma curva em formato de “s”) na coluna vertebral e pode ser classificada em diferentes tipos, sendo os mais comuns:

Escoliose Congênita: decorre ou de um problema com a formação dos ossos da coluna vertebral (vértebras) ou de um problema de fusão dos ossos da coluna, podendo ou não estar associado a fusão de costelas durante o desenvolvimento do feto ou do recém nascido. (Dr. Djalma Pereira Mota, Minha vida – Escoliose)

Escoliose Neuromuscular: é causada por problemas neurológicos como paralisia cerebral ou musculares que determinam fraqueza muscular, controle precário dos músculos ou paralisia decorrente de doenças como distrofia muscular, espinha bífida e pólio. (Dr. Djalma Pereira Mota, Minha vida – Escoliose)

Escoliose idiopática: Somente a escoliose idiopática não possui causa conhecida. (Dr. Djalma Pereira Mota, Minha vida – Escoliose)

Algumas pessoas são mais suscetíveis ao problema e alguns fatores são considerados de risco para os médicos:

Idade: um pouco antes da puberdade, ou seja dos 9 aos 15 anos, começam a aparecer os sinais e sintomas.

Sexo: embora ambos os sexos possam vir a ter o problema, sabe-se que as meninas tem mais probabilidade de desenvolver o desvio.

Histórico familiar: é mais comum entre membros de uma mesma família.

Principais sintomas:

– Ombros ou quadris que parecem assimétricos.

– Coluna vertebral encurvada anormalmente para um os lados.

– Eventualmente desconforto muscular.

Diagnóstico:

– Exame físico em busca de sinais de escoliose.

– Raio-X, tomografia computadorizada e até exames de ressonância magnética.

Tratamento:

O tratamento depende da causa da escoliose, do tamanho e da localização da curvatura, além do quanto o paciente ainda crescerá.

Coletes: na medida em que a curvatura se agrava (acima de 25 a 30 graus em crianças que estiverem em fase de crescimento), o uso de órteses é geralmente recomendado para auxiliar a retardar a progressão da curva. (Dr. Djalma Pereira Mota, Minha vida – Escoliose)

Colete para tratamento de escoliose

Colete para tratamento de escoliose

Cirurgia: consiste em corrigir a curva (embora não completamente) e encaixar os ossos dentro dela. Os ossos são fixados no lugar com uma ou duas hastes de metal presas com ganchos e parafusos até que o osso seja recuperado. Às vezes, a cirurgia é feita por meio de um corte nas costas, no abdômen ou abaixo das costelas. Pode ser necessário o uso de uma órtese para estabilizar a coluna vertebral após a operação. (Dr. Djalma Pereira Mota, Minha vida – Escoliose)

Exemplo de correção de escoliose através de cirurgia.

Exemplo de correção de escoliose através de cirurgia.

o-que-tenho-de-torta-tenho-de-feliz

O que tenho de torta, eu tenho de feliz!

Fui diagnosticada aos 14 anos de idade. Fui a um pronto socorro após ter machucado o pé jogando queimada na praia e voltei para casa com um baita problema nas costas, literalmente. O médico identificou meu desvio pelo modo como coloquei meu pé sobre a cadeira, para que ele pudesse examiná-lo. Fizemos exames físico e fui encaminhada a um especialista.

Exame raio-x realizado em novembro de 2014, utilizado para diagnosticar minha escoliose.

Exame raio-x realizado em novembro de 2014, utilizado para diagnosticar minha escoliose.

A escoliose idiopática se confirmou e as coisas, como de praxe, só pioraram: dores, muito desconforto, ligeiro aumento de grau da curvatura e outras doenças. Mas o que mais me choca em todo o meu histórico clínico foi o fato de ter sido abandonada. Nenhum tratamento me foi proposto ou se quer um acompanhamento médico. Talvez se as devidas providências tivessem sido tomadas hoje eu tivesse mais qualidade de vida. Por tanto se você possui qualquer problema na coluna procure tratamentos, nem que sejam alternativos, pois na maioria das vezes quadros podem ser revertidos ao menos melhorados e não existe nada mais importante que a sua saúde.

* Está perdido, não sabe o que é o Be the change? Clique aqui.

10 coisas que os brasileiros não querem repetir em 2015

O tão esperando dia 1 de janeiro de 2015 está cada vez mais próximo, junto a comemoração nasce também o desejo do recomeço e as promessas de um ano melhor. Em parceria com a SurveyMonkey, Catraca Livre fez um levantamento com internautas brasileiros para saber o que eles não querem repetir em 2015:

10-coisas-que-os-brasileiros-nao-querem-repetir-em-2015

Traçar metas para o próximo ano pode parecer clichê e inútil mas na verdade é algo importante para o crescimento pessoal e profissional. Através delas teremos objetivos e poderemos canalizar nossa energia em propósitos reais, evitando desperdício de tempo. Criar uma listagem para 2015 é ainda mais importante caso você tenha pensado ou verbalizado a seguinte frase: “o ano acabou e eu não fiz absolutamente nada”.

As 10 coisas que os brasileiros não querem repetir em 2015 são bem genéricas, mas pontos como fazer exercícios ou guardar dinheiro podem ser cruciais para uma melhor qualidade de vida e futuro. Adicione coisas pessoais a lista, não importa se o item fará parte da categoria “quero conquistar” ou “não repetir”. O importante é que você realmente lute para que o ano que vem seja realmente um ano melhor!

O que as crianças querem de verdade no Natal?

Quando o final do ano se aproxima, o comércio nos avisa sobre a proximidade do Natal. Desde novembro o “bom velhinho” se faz presente nas vitrines e comerciais de TV antes mesmo das decorações residenciais. São muito os itens essenciais para um natal feliz: decorações, comida farta e cara, presentes e roupa nova. Em meio ao consumismo esquecemos o verdadeiro significado do Natal: união, solidariedade e família reunida.

Diante desde cenário você já parou para pensar o que as crianças realmente querem neste Natal? A IKEA, marca de artigos para casa, convidou 10 famílias da Espanha para que seus filhos pequenos pudessem escrever uma quarta para os Reis Magos (em determinados locais as pessoas acreditam nos Reis Magos, não no Papai Noel) dizendo o que eles gostariam de ganhar de presente e outra para seus pais com o mesmo objetivo, escrever o que queriam ganhar deles. O resultado vai te tocar profundamente:

Pais e mães passam horas trabalhando, distantes do lar, com o objetivo de ter mais recursos para poder presentear e proporcionar um futuro melhor aos seus filhos mas se esquecem de que o playstation, o tablet ou o carrinho de controle remoto podem e devem ser substituídos por mais tempo compartilhado, carinho e atenção. Crianças sabem o real significado do Natal, nós adultos esquecemos devido a correria do dia a dia, mas é sempre tempo de relembrar. Após essa linda mensagem gostaria de desejar a vocês um ótimo Natal repleto do verdadeiro espirito natalino.

Ainda que se percam outras coisas ao longo dos anos, mantenhamos o Natal como algo brilhante.…. Regressemos a nossa fé infantil.
Grace Noll Crowell

Violência doméstica: entender para combater

Este ano a Avon em parceria com a empresa de pesquisas Data Popular e com consultoria do Instituto Noos publicou uma pesquisa com o intuito de não só informar e entender a complexidade, mas também dar apoio a projetos que combatam a da violência doméstica na nossa sociedade.

O levantamento teve como único foco ouvir os homens e conhecer a cultura e a mentalidade da maioria que ainda acredita na dominação de um gênero sobre o outro. As mulheres são as maiores vitimas da cultura machista, que apesar de enfraquecida ainda persiste, como pode ser visto através dos dados obtidos:

Assédio

– 78% das jovens entrevistadas relatam já ter sofrido algum tipo de assédio como cantada ofensiva, abordagem violenta na balada e ser beijada à força. Três em cada dez garotas dizem ter sido assediadas fisicamente no transporte público.

Namoros

– No relacionamento entre os jovens aparecem com frequência ações de controle e violência contra as garotas: 53% delas dizem que já tiveram o celular vasculhado, e 40% que o parceiro controla o que fazem, onde e com quem estão. 35% relatam que foram xingadas pelo namorado; 33%, impedidas de usar determinada roupa.

Sexo

– Entre as mulheres, 9% contam que já foram obrigadas a fazer sexo quando não estavam com vontade, e 37% que já tiveram relação sexual sem camisinha por insistência do parceiro.

Internet

– As redes sociais se mostram como um meio de controle dentro dos namoros: 32% das jovens relatam que tiveram de excluir algum amigo do Facebook a pedido do parceiro, 30% dizem que tiveram e-mail ou perfil de rede social invadido pelo namorado e 28% afirmam que foram proibidas de conversar com amigos virtualmente.

– 15% das jovens dizem que foram obrigadas a revelar para os namorados suas senhas de e-mail e Facebook, e 2% que receberam ameaça de cibervingança – a divulgação de fotos ou vídeos íntimos.

Machismo

– Mais mulheres (42% delas) do que homens (41% deles) disseram concordar que uma garota deve ficar com poucos homens. E muitos garotos (43%) ainda veem diferença entre mulheres para “namorar” e “para ficar” – aquelas que têm relações com muitos homens não são para namorar. Entre as mulheres, 34% pensam o mesmo.

– Enquanto 30% dos homens dizem que a mulher que usa decote e saia curta está se oferecendo, apenas 20% das mulheres concordam com essa afirmação.

Dentro deste ambiente propicio para a violência é que surgem os agressores, e por conta disso contabilizamos 4,4 assassinatos a cada 100 mil mulheres, ou seja o Brasil ocupada a vergonhosa posição de 7º lugar entre países que possuem o maior número de mulheres mortas.

Diante deste cenário o que pode ser feito? Identifique o abuso; Pare de pensar que o erro está em você; Entenda, de uma vez por todas, que a coisa só vai piorar; Acredite que você pode seguir sozinha;Peça ajuda! As únicas responsáveis por erradicar o machismo numa sociedade que acredita na desigualdade dos sexos e que julga uma mulher pelo modo como ela se veste, somos nós, mulheres.

Projeto: Be the change.

Um terço da população brasileira, ou seja 54 milhões de pessoas, possuem algum problema na coluna. Eu sou parte importante dessa estatística.

Há aproximadamente oito anos descobri uma deformidade na coluna que além de me proporcionar doses diárias de dores e desconforto acarretaria uma série de outros problemas.Hoje, com 21 anos de idade sofro as consequência da ausência de tratamentos e do sedentarismo.

“Be the change” é um projeto criado por mim, que recebeu um enorme incentivo do meu namorado, que enxerga através dele a possibilidade de ajudar pessoas que compartilham os mesmos problemas que eu. Durante cinco semanas seguidas você irá conhecer minhas doenças e de que forma irei tratá-las. Posteriormente será um projeto mensal visando demostrar minha evolução através de relatos e fotos.

Gostaria de enfatizar que não possuo quaisquer formação médica e que meu intuito é de somente orientá-los. Meu tratamento será realizado por uma fisioterapeuta e sempre vou lhes aconselhar a buscar ajuda médica independente da questão ou problema. Minhas expectativas são: alcançar uma significativa melhora através da terapia e instruir e inspirar pessoas a buscar suas próprias mudanças.

Sinta-se Paulistano: só os paulistanos entenderão

Não moro na capital de São Paulo, vivo no litoral, numa cidade turística chamada Itanhaém que possui 87.057 habitantes, mas convivo diariamente com paulistanos, principalmente nos finais de ano quando a minha cidade é invadida por turistas. Especialmente nessa época costumamos enaltecer as peculiaridades do “povo da cidade grande” e justamente por isso quando me deparei com a fan page “Sinta-se Paulistano” foi invadida pelo desejo de compartilhar seus posts brilhantes.

A página satiriza o estilo de vida de quem vive na metrópole através de posts divertidos que ensinam qualquer pessoa a se tornar um típico paulistano. Esse manual, criado pelo publicitário Flávio Pucci – paranaense que vive em São Paulo há sete anos – e outros dois amigos retrata/critica de forma cômica o excesso de trabalho, os hábitos neuróticos como buzinar freneticamente durante um engarrafamento ou a pressa na hora de andar (mesmo que estejam somente passeando), dentre outros.

chame-bechiga

chupe-picole

chupe-sacole

coma-bolinho

endereco

more-na-mooca

tira-a-bliusa

Seja parte importante da vida de alguém. Doe órgãos!

A campanha da Reborn to Be Alive, uma ONG belga que incentiva a doação de órgãos foi uma das mais criativas dos últimos tempos e campanhas simples, sem grandes produções ou soluções gráficas sempre foram minhas preferidas.

Pular do telhado para mergulhar na piscina, descer a ladeira em um carrinho de rolimã, brincar com eletricidade na água e outras idiotices são frequentemente divulgadas na internet e foram exatamente esses momentos que a agência Duval Guillaume relatou na campanha, todas com uma mensagem bem humorada: “8 de seus órgãos podem ser doados. Para a nossa sorte, o cérebro não é um deles”.

reborn1_aotw

reborn2_aotw

reborn3_aotw

Com imagens divertidas de pessoas fazendo coisas não muito inteligentes e um vídeo tão interessante quanto, a peça publicitária vem chamando atenção na internet e deixa uma mensagem muito clara: antes de fazer qualquer estupidez, lembre-se de ser doador de órgãos.

Ok, agora falando sério, o que preciso fazer para ser um doador de órgãos? A legislação brasileira sobre o processo de doação de órgãos e tecidos e os transplantes estabelece que somos todos doadores de órgãos desde que após a nossa morte um familiar (até segundo-grau de parentesco) autorize, por escrito, a retirada dos órgãos. Por tanto não basta querer ser doador, você deve expor aos seus familiares esse desejo. Qualquer pessoa pode ser doadora e nenhum documento precisa ser registrado.

Dia 24 de setembro foi o Dia Nacional de Doação de Órgãos, para reforçar a campanha o Ministério da saúde desenvolveu aplicativo que faz interface com o Facebook e notifica os familiares automaticamente. Ou seja, em um clique a pessoa se declara doadora de órgãos e informa toda a família, além de poder adicionar o laço verde – símbolo mundial da doação – à foto de seu perfil na rede social.

Os meus familiares sabem que sou uma doadora de órgãos e vocês, vão aderir a campanha?

3 motivos para ser contra testes em animais

Com base na ultrapassada hipótese de que os animais respondem do mesmo modo que nós seres humanos quando expostos as mesmas substâncias, animais vem sendo utilizados há aproximadamente 300 anos em testes de medicamentos, vacinas, cosméticos e até produtos de limpeza.

Os animais que participam dessas experiências são geralmente cães, ratos, camundongos, hamsters, coelhos e porquinhos da Índia, são criados em viveiros chamados de botéiros e podem nascer, viver e morrer dentro de um mesmo laboratório. Por tanto, os pesquisadores referem-se a eles como “material”, “produtos” e até mesmo “modelos”.

Cruel, arcaica e ineficiente! Veja três motivos para ser contra testes em animais:

1. Testes em animais são extremamente cruéis

Para testar drogas, diversos animais, principalmente roedores, cães, gatos e primatas, são submetidos a inserção de substâncias em seus olhos, inalação forçada de fumaças, implantação de eletrodos em seus cérebros e diversas outras práticas extremamente cruéis e dolorosas.

2. Testes em animais atrasam o desenvolvimento da ciência

Os especialistas ao redor do mundo dividem-se sobre o papel dos testes em animais no progresso cientifico: há os que dizem não haver descobertas importantes para a humanidade sem esse tipo de prática e há os que afirmam que testes em animais impedem que a ciência evolua.

O médico norte-americano Ray Greek deu sua opinião para a Revista Veja em 2010:

“As drogas deveriam ser testadas em computadores, depois em tecido humano e daí sim, em seres humanos. Empresas farmacêuticas já admitiram que essa será a forma de testar remédios no futuro.”

3. Testes em animais são ineficientes

Os cientistas defensores dos testes em animais citam o lucro da industria como principal causador da prática no meio acadêmico e farmacêutico. É obvio que existe uma economia que depende da quantia bilionária investida por ano nesse mercado, porém, ainda segundo o doutor Ray Greek esse dinheiro não está sendo revertido para o bem das pessoas:

“A indústria farmacêutica já divulgou que os remédios normalmente funcionam em 50% da população. É uma média. Algumas drogas funcionam em 10% da população, outras 80%. Mas isso tem a ver com a diferença entre os seres humanos. Então, nesse momento, não temos milhares de remédios que funcionam em todas as pessoas e são seguros. Na verdade, você tem remédios que não funcionam para algumas pessoas e ao mesmo tempo não são seguros para outras. A grande maioria dos remédios que existe no mercado são cópias de drogas que já existem, por isso já sabemos os efeitos sem precisar testar em animais. Outras drogas que foram descobertas na natureza e já são usadas por muitos anos foram testadas em animais apenas como um adendo. Além disso, muitos remédios que temos hoje foram testados em animais, falharam nos testes, mas as empresas decidiram comercializar assim mesmo e o remédio foi um sucesso. Então, a noção de que os remédios funcionam por causa de testes com animais é uma falácia.”

Ao comprar produtos de marcas adeptas aos testes você estará contribuindo para que mais animais sofram diariamente e principalmente para que este sofrimento não tenha fim. Além de cruel a prática é arcaica e muitas vezes ineficaz. Por que não investir em pesquisas que possam substituir essa metodologia? Eu te respondo: por que diariamente as pessoas compactuam com ela, as vezes por desconhecerem ou até mesmo por não se importarem.

Se após o conhecimento desses fatos, você assim como eu, decidiu ser contra o teste em animais, saiba que existem alternativas:

Você é estudante e não quer matar animais em seu curso? Conheça a objeção de consciência: www.1rnet.org/objetando.htm.

Você quer contribuir? Confira essa lista de mascas que realizam testes em animais:

lista-marcas

* Na lista do Modernosas somente empresas que fabricam cosméticos e produtos de higiene pessoal foram citadas, para conhecer a lista completa acesse: http://www.vista-se.com.br/lista/

Após pesquisar, ler opiniões e conhecer os métodos utilizados eu resolvi que não vou mais consumir produtos cosméticos de marcas que praticam testes em animais. E vocês modernosas, o que acham?

Uma crítica à ditadura da beleza

Não, este não é um post feminista, mas venhamos e convenhamos as mulheres ainda sofrem com os padrões impostos pela sociedade. Como se não bastasse os culturais e sociais o sexo feminino também deve se enquadrar na ditadura dos padrões de beleza, que determinam principalmente qual deve ser seu tipo físico para ser considerada uma mulher bonita.

Elas são diariamente bombardeadas com revistas de “saúde e beleza” que estampam em suas capas “Saiba como perder 5 quilos em 3 dias” ou “Siga a nova dieta de Kate Middleton”, panfletos que indicam lojas de produtos naturais com deliciosos shakes e chás que te ajudam a emagrecer, e-mails de sites de compras coletivas com ofertas de tratamento contra celulites e massagens redutoras de medida e nos outdoors modelos esqueléticas que elas deveriam cobiçar.

Com todas essas imposições disfarçadas de dicas, cada vez mais mulheres sentem-se frustradas com o que vêem no espelho, afinal elas devem ser magras e saradas, sem estrias ou celulites. E se o manequim é 44, você não é boa para a sociedade!

Uma parcela do universo já compreendeu que mulher nenhuma precisa se enquadrar em droga de padrão nenhum para ser feliz. Foda-se o que vão achar se você usa aquela calça legging mesmo tendo umas celulites, desde que você se sinta bem.

Inspirados no drama que as mulheres vivenciam muitos fotógrafos resolvem retratar mulheres em seu estado natural e você vai se surpreender com a beleza que mulheres, em fotografias sem nenhuma intervenção de programas de edição de imagens, possuem:

Projeto: Apartamento 302

O projeto intitulado “Apartamento 302” foi desenvolvido pelo fotografo Jorge Bispo, as fotografias em preto e branco são de mulheres que não possuem qualquer experiência como modelo. O objetivo foi mostrar que há muita beleza fora dos padrões ditados pela mídia.

 

 

 

O meu objetivo, como uma mulher comum, que não se encaixa nos padrões de beleza, ao escrever esse post foi o de demonstrar para as mulheres, anonimas e tão comuns quanto eu, que somos belas! Repletas de detalhes únicos, que nos torna quem somos.

A sociedade venera mulher magras, com barriga negativa e thigh gap (a nova moda que determina que suas coxas em hipótese alguma devem “encostar uma na outra”) mas vocês, que não são magérrimas, já pararam para pensar como é a vida de um mulher desse biotipo? Eu posso lhes contar: dificuldades para encontrar roupas (calça então, quase impossível. Faça um teste, quantas calças tamanho 34 você consegue encontrar em uma loja?), dificuldades para comprar roupa intima (se você possuí seios pequenos como eu) e por último, mas não menos importante, brincadeiras de mau gosto. Ao mesmo tempo em que existem pessoas que acham lindo mulheres com ossinhos proeminentes outros acham feio. E as pessoas que não acham bonito vão fazer tanta questão, ou até mais, de expressar opinião quanto as que acham bonito.

Algumas magras de mais, outras um pouco gordinhas, algumas muito altas, outras muito baixas, com seios pequenos, seios muito grande, com pouco bum bum, com muito bum bum. Somos todas belas, naturalmente belas. O segredo é amarmos o que somos, nos admirarmos para então sermos amadas e admiradas. Só mude caso seja uma mudança de dentro pra fora, algo que você deseja, algo que te fará sentir bem.

* Para ver todas as fotos do ensaio clique aqui.